quarta-feira, 21 de janeiro de 2009


Paradoxo...
...Cobre ó lua a tua brilhante face

Que reflete a imagem que teima


Assaltar meus sentidos libertandoLembranças trancadas nos porões


De minha sofrida memória...


Deixa-me sozinho impregnado do

Cheiro da solidão soprado pelos

Dragões disfarçados de moinhos

Onde travo quixotescas batalhas

Contra a saudade que me adentra


Por portais clandestinos...

As poucas nuvens de esquecimento

Que se formam a partir do vapor de

Minhas lagrimas e tentam em vão te

Ocultar cai como chuva alimentando

O amor plantado em meu coração...

(AlexSimas)



Angustia...
...Destilo saudades em copos vazios

Entre uma balada e um blues...

A corda quebrada do violão nega a nota

A letra da canção só tem teu nome......

Título e refrão.



A melodia marulhada das ondas

Batem contra minha sanidade

Como a buscar lógica na loucura


Mordo o lábio, deslizo pela musica

De meu respirar ofegante...


Teu cheiro me invade, inebrio-me...

Mágico perfume criado por alquimia

De algum boticário antigo......

Formula perdida no tempo.



O vinil na vitrola chega ao fim

Os músicos recolhem-se ao silencio

Lembranças ébrias de boemia

Insistem em mais uma contra-dança


A madrugada deita-se sobre a noite

Cobrindo-se com o alvorecer...

Na parede um calendário riscado

Marca menos um dia......

Na eterna ânsia de encontrar você.



(AlexSimas)

Nenhum comentário:

Postar um comentário