sábado, 26 de setembro de 2009

PARA SE PENSAR...RELATO DE UMA PROFESSORA

Semana passada comprei um produto que custou R$ 1,58. Dei à balconista R$ 2,00 e peguei na minha bolsa 8 centavos, para evitar receber ainda mais moedas. A balconista pegou o dinheiro e ficou olhando para a máquina registradora, aparentemente sem saber o que fazer. Tentei explicar que ela tinha que me dar 50 centavos de troco, mas ela não se convenceu e chamou o gerente para ajudá-la. Ficou com lágrimas nos olhos enquanto o gerente tentava explicar e ela aparentemente continuava sem entender. Por que estou contando isso?

Porque me dei conta da evolução do ensino de matemática desde 1950, que foi assim:

1. Ensino de matemática em 1950:Um cortador de lenha vende um carro de lenha por R$ 100,00.O custo de produção desse carro de lenha é igual a 4/5 do preço de venda .Qual é o lucro?

2. Ensino de matemática em 1970:Um cortador de lenha vende um carro de lenha por R$ 100,00.O custo de produção desse carro de lenha é igual a 4/5 do preço devenda ou R$ 80,00.Qual é o lucro?

3. Ensino de matemática em 1980:Um cortador de lenha vende um carro de lenha por R$ 100,00.O custo de produção desse carro de lenha é R$ 80,00.Qual é o lucro?

4. Ensino de matemática em 1990:Um cortador de lenha vende um carro de lenha por R$ 100,00.O custo de produção desse carro de lenha é R$ 80,00.Escolha a resposta certa, que indica o lucro:( )R$ 20,00 ( )R$40,00 ( )R$60,00 ( )R$80,00 ( )R$100,00

5. Ensino de matemática em 2000:Um cortador de lenha vende um carro de lenha por R$ 100,00.O custo de produção desse carro de lenha é R$ 80,00.O lucro é de R$ 20,00.Está certo?( )SIM ( ) NÃO

6. Ensino de matemática em 2009:Um cortador de lenha vende um carro de lenha por R$100,00.O custo de produção é R$ 80,00. Se você souber ler coloque um X no R$ 20,00.

( )R$ 20,00 ( )R$40,00 ( )R$60,00 ( )R$80,00 ( )R$100,00

Fonte:www.escoladepastor.com.br

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

GINÁSTICA HISTORIADA

Cada criança deve dramatizar a história, na medida em que a professora vai narrando, alguns podem ser a menina, outros a sementinha, outros a chuva e outros o solzinho, ou as crianças podem ser a sementinha, enquanto a educadora dramatiza os personagens restantes.Era uma vez uma menina que se preocupava muito com as plantinhas, certo dia ela cavou um buraquinho na areia bem fofa, dentro dele colocou uma linda sementinha, (agora as crianças serão a sementinha).
A sementinha era bem pequenina e estava toda encolhidinha, como que se estivesse sentindo muito, muito frio, mas ficou paradinha ali na terra fofinha como se estivesse dormindo. De repente começou a sentir uma sensação muito agradável, a sementinha então, se sentia protegida. Logo pela manhã o sol chegou seus raiozinhos aos poucos penetraram a terra e aqueceram a sementinha, que acordou com o calorzinho. Quando veio a chuva suas gotinhas fininhas penetraram a areia fofinha e deram um gostoso beijinho na sementinha, feliz, a sementinha começou a erguer seus bracinhos, procurando pelas gotinhas de chuva e pelo calorzinho do sol. Aos poucos a plantinha começa a ganhar folhinhas.
A noite chega e a lua prateada joga o orvalho para a plantinha, que logo estica suas folhinhas para recebê-lo e é saudada pelas estrelas. Cada dia que passava, a plantinha crescia mais, mais e mais. Suas raízes ficaram profundas, bem dentro da terra, seu caule estava grande e forte e sustentava muitas folhas, toda vez que ventava ela segurava as folhinhas para lá e para cá... (Utilizar a música a sementinha, Beto Hermann)

SEM O AMOR...

"A inteligência sem amor, te faz perverso.
A justiça sem amor, te faz implacável.
A diplomacia sem amor, te faz hipócrita.
O êxito sem amor, te faz arrogante.
A riqueza sem amor, te faz ávaro.
A docilidade sem amor, te faz servil.
A pobreza sem amor, te faz orgulhoso.
A beleza sem amor, te faz fútil.
A autoridade sem amor, te faz tirano.
O trabalho sem amor, te faz escravo.
A simplicidade sem amor, te deprecia.
A oração sem amor, te faz introvertido e sem propósito.
A lei sem amor, te escraviza.
A política sem amor, te deixa egoísta.
A fé sem amor, te deixa fanático.
A cruz sem amor, se converte em tortura.
A vida sem amor... não tem sentido!"
Autor desconhecido.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Primavera

Cecília Meireles
A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para recebê-la. A inclinação do sol vai marcando outras sombras; e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a primavera que chega.Finos clarins que não ouvimos devem soar por dentro da terra, nesse mundo confidencial das raízes, — e arautos sutis acordarão as cores e os perfumes e a alegria de nascer, no espírito das flores.Há bosques de rododendros que eram verdes e já estão todos cor-de-rosa, como os palácios de Jeipur. Vozes novas de passarinhos começam a ensaiar as árias tradicionais de sua nação. Pequenas borboletas brancas e amarelas apressam-se pelos ares, — e certamente conversam: mas tão baixinho que não se entende.Oh! Primaveras distantes, depois do branco e deserto inverno, quando as amendoeiras inauguram suas flores, alegremente, e todos os olhos procuram pelo céu o primeiro raio de sol.Esta é uma primavera diferente, com as matas intactas, as árvores cobertas de folhas, — e só os poetas, entre os humanos, sabem que uma Deusa chega, coroada de flores, com vestidos bordados de flores, com os braços carregados de flores, e vem dançar neste mundo cálido, de incessante luz.Mas é certo que a primavera chega. É certo que a vida não se esquece, e a terra maternalmente se enfeita para as festas da sua perpetuação.Algum dia, talvez, nada mais vai ser assim. Algum dia, talvez, os homens terão a primavera que desejarem, no momento que quiserem, independentes deste ritmo, desta ordem, deste movimento do céu. E os pássaros serão outros, com outros cantos e outros hábitos, — e os ouvidos que por acaso os ouvirem não terão nada mais com tudo aquilo que, outrora se entendeu e amou.Enquanto há primavera, esta primavera natural, prestemos atenção ao sussurro dos passarinhos novos, que dão beijinhos para o ar azul. Escutemos estas vozes que andam nas árvores, caminhemos por estas estradas que ainda conservam seus sentimentos antigos: lentamente estão sendo tecidos os manacás roxos e brancos; e a eufórbia se vai tornando pulquérrima, em cada coroa vermelha que desdobra. Os casulos brancos das gardênias ainda estão sendo enrolados em redor do perfume. E flores agrestes acordam com suas roupas de chita multicor.Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lançado ao vento, — por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na rotação da eternidade. Saudemos a primavera, dona da vida — e efêmera.
Texto extraído do livro "Cecília Meireles - Obra em Prosa - Volume 1", Editora Nova Fronteira - Rio de Janeiro, 1998, pág. 366.Saiba tudo sobre a vida e a obra de Cecília Meireles visitando "Biografias".

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

APENAS A LÍNGUA PORTUGUESA NOS PERMITE ESCREVER ISSO...

Pedro Paulo Pereira Pinto, pequeno pintor português, pintava portas, paredes, portais. Porém, pediu para parar porque preferiu pintar panfletos. Partindo para Piracicaba, pintou prateleiras para poder progredir. Posteriormente, partiu para Pirapora. Pernoitando, prosseguiu para Paranavaí, pois pretendia praticar pinturas para pessoas pobres. Porém, pouco praticou, porque Padre Paulo pediu para pintar panelas, porém posteriormente pintou pratos para poder pagar promessas. Pálido, porém personalizado, preferiu partir para Portugal para pedir permissão para papai para permanecer praticando pinturas, preferindo, portanto, Paris. Partindo para Paris, passou pelos Pirineus, pois pretendia pintá-los. Pareciam plácidos, porém, pesaroso, percebeu penhascos pedregosos, preferindo pintá-los parcialmente, pois perigosas pedras pareciam precipitar-se principalmente pelo Pico, porque pastores passavam pelas picadas para pedirem pousada, provocando provavelmente pequenas perfurações, pois, pelo passo percorriam, permanentemente, possantes potrancas. Pisando Paris, permissão para pintar palácios pomposos, procurando pontos pitorescos, pois, para pintar pobreza, precisaria percorrer pontos perigosos, pestilentos, perniciosos, preferindo Pedro Paulo precaver-se. Por profundas privações passou Pedro Paulo. Pensava poder prosseguir pintando, porém, pretas previsões passavam pelo pensamento, provocando profundos pesares, principalmente por pretender partir prontamente para Portugal. Povo previdente! Pensava Pedro Paulo... Preciso partir para Portugal porque pedem para prestigiar patrícios, pintando principais portos portugueses. - Paris! Paris! Proferiu Pedro Paulo. - Parto, porém penso pintá-la permanentemente, pois pretendo progredir. Pisando Portugal, Pedro Paulo procurou pelos pais, porém, Papai Procópio partira para Província. Pedindo provisões, partiu prontamente, pois precisava pedir permissão para Papai Procópio para prosseguir praticando pinturas. Profundamente pálido, perfez percurso percorrido pelo pai. Pedindo permissão, penetrou pelo portão principal. Porém, Papai Procópio puxando-o pelo pescoço proferiu: Pediste permissão para praticar pintura, porém, praticando, pintas pior. Primo Pinduca pintou perfeitamente prima Petúnia. Porque pintas porcarias? - Papai, proferiu Pedro Paulo, pinto porque permitiste, porém, preferindo, poderei procurar profissão própria para poder provar perseverança, pois pretendo permanecer por Portugal. Pegando Pedro Paulo pelo pulso, penetrou pelo patamar, procurando pelos pertences, partiu prontamente, pois pretendia pôr Pedro Paulo para praticar profissão perfeita: pedreiro! Passando pela ponte precisaram pescar para poderem prosseguir peregrinando. Primeiro, pegaram peixes pequenos, porém, passando pouco prazo, pegaram pacus, piaparas, pirarucus. Partindo pela picada próxima, pois pretendiam pernoitar pertinho, para procurar primo Péricles primeiro. Pisando por pedras pontudas, Papai Procópio procurou Péricles, primo próximo, pedreiro profissional perfeito. Poucas palavras proferiram, porém prometeu pagar pequena parcela para Péricles profissionalizar Pedro Paulo. Primeiramente Pedro Paulo pegava pedras, porém, Péricles pediu-lhe para pintar prédios, pois precisava pagar pintores práticos. Particularmente Pedro Paulo preferia pintar prédios. Pereceu pintando prédios para Péricles, pois precipitou-se pelas paredes pintadas. Pobre Pedro Paulo, pereceu pintando... permita-me, pois, pedir perdão pela paciência, pois pretendo parar para pensar... Para parar preciso pensar. Pensei. Portanto, pronto pararei. E você ainda se acha o máximo quando consegue dizer: 'O Rato Roeu a Rica Roupa do Rei de Roma'?

Há escolas que são gaiolas e há escolas que são asas

Escolas que são gaiolas existem para que os pássaros desaprendam a arte do voo.
Pássaros engaiolados são pássaros sob controle. Engaiolados, o seu dono pode levá-los para onde quiser. Pássaros engaiolados sempre têm um dono. Deixam de ser pássaros. Porque a essência dos pássaros é o voo.Escolas que são asas não amam pássaros engaiolados. O que elas amam são pássaros em voo. Existem para dar aos pássaros coragem para voar. Ensinar o voo, isso elas não podem fazer, porque o voo faz parte da natureza dos pássaros. O voo não pode ser ensinado. Só pode ser encorajado.
Rubem Alves
fonte:http://gentequeaprende.blogspot.com

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Oração da leitura


Em Nome da Leitura
Livro nosso, que
estais em nossas mãos,
Abençoada seja
a vossa leitura,
Venha a nós a vossa magia,
Sede lido por
muitas pessoas,
Na rua, no transporte,
em casa,
Nas escolas, presídios
e feiras...
A leitura nossa de cada dia
nos dai hoje,
Perdoai aqueles que
não lêem,
Fazei-os ficar encantados
e contar o que leram,
Assim como doarem
livros para
que todos possam ler.
Deixai-nos sempre cair em tentação por livros como: Romances, contos, poemas, mitos e outros...
Ensinai a todos o caminho de livrarias e bibliotecas,
Onde a leitura ajudará a construir um mundo melhor para sempre.
Fonte:http://vivendodehistorias.blogspot.com

http://linguagemeafins.blogspot.com/

CATIVA- ME

Recebi esse selinho da amiga blogueira que muito admiro, dona de uma criatividade e potencial incrivel!!!!!!
Visitem seu blog, terá oportunidade de deliciar-se com material riquissimo!!!!!!
Bjsssssssssss Krika

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Estudo do Hino Nacional

Dados sobre os autores
Joaquim Osório Duque Estrada nasceu em Pati do Alferes (RJ) em 1870 e faleceu em 1927, no Rio de Janeiro.
Professor do Colégio D. Pedro II e da Escola Normal, foi poeta e crítico literário. Obras principais: A Arte de Fazer Versos, Crítica e Polêmica.
Francisco Manuel da Silva nasceu em 1795 no Rio de Janeiro, onde faleceu em 1865. Dedicou-se à música desde a infância, fundando a Sociedade Beneficente Musical e o Conservatório de Música do Rio de Janeiro.

Curiosidades
No hino brasileiro aparecem várias palavras referindo-se à bandeira.
A origem da bandeira é muito antiga. Os romanos usavam um molho de palha nas pontas das lanças para marcar sua presença. Na Idade Média, o uso das bandeiras e insígnias generalizou-se. Os cavaleiros, para serem reconhecidos, usavam distintivos na armadura ou nos elmos com que cobriam a cabeça. Os cruzados colocavam panos coloridos nas pontas de hastes para se identificarem.
Os símbolos mais usados eram o pendão, bandeira armada em vara atravessada horizontalmente sobre o mastro (Salve lindo pendão da esperança...- hino à bandeira); a bandeira real, só desfraldada na hora do combate; o guião, sinal peculiar do príncipe ou do senhor; o lábaro ou estandarte, bandeira que indicava a presença do rei, e o gonfalão, bandeira de guerra com três ou quatro pontas pendentes.

Estudo do vocabulário
1. Faça a ligação entre as palavras do hino e seus significados, usando as letras:
a) fúlgidos( v. 3) ( )calmas, tranqüilas, serenas
b) penhor (v. 5) ( ) que ressoa, ecoante
c) Salve! (v.11) ( ) belo, gracioso
d) florão (v. 28) ( ) brilhante, luminoso
e) garrida (v. 30) ( ) destemido, arrojado
f) lábaro (v. 38) ( ) grito, clamor
g) flâmula (v. 39) ( ) adorada, venerada, amada
h) clava (v. 41) ( ) interior, âmago
i) plácidas (v. 1) ( ) admirável, magnífico, grandioso
j) brado (v. 2) ( ) cintilas, realças, brilhas
l) retumbante (v. 2) ( ) brilhantes, resplandecentes
m) idolatrada (v.10) ( ) garantia, prova
n) vívido (v. 12) ( ) passe bem, tenha saúde
o) formoso (v. 14) ( ) adorno, enfeite, ornamento
p) impávido (v. 17) ( ) alegre, vistosa
q) colosso (v. 17) ( ) bandeira, estandarte
r) esplêndido (v. 28) ( ) bandeira, galhardete
s) seio (v. 33) ( ) arma, tacape
u) fulguras ( ) gigante

2. Observe os adjetivos sublinhados no texto.
a) O significado que eles contêm são positivos ou negativos?
b) Por que o autor escolhe adjetivos com este tipo de significado?

3. O que valorizaria um simples riacho (Ipiranga) a ponto de ser citado no hino oficial do país?
4. Por que Cruzeiro (v. 15) está escrito com letra maiúscula?
5. No verso 29, o hino cita Novo Mundo. Por que o autor da letra usou tal expressão. Explique.
6. Leia o poema Canção do Exílio, de Gonçalves Dias, e responda:
Canção do Exílio Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves, que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.
Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.

Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar - sozinho, à noite -
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;
Sem que desfrute os primores
Que não encontro por cá;
Sem quinda aviste as palmeiras,
Onde canta o Sabiá. (Coimbra, julho de 1843)

Qual estrofe deste poema foi incorporada ao Hino Nacional?

7. Segundo o autor da letra, o país passou a ter liberdade com independência.
a) A que tipo de liberdade se refere?
b) Pelas idéias expressas no texto, essa liberdade foi conquistada com luta ou obtida com facilidade?
Retire do texto versos que comprovem sua resposta.
8..A escrever a expressão Deitado eternamente em berço esplêndido, o autor quer passar a idéia de o país estar acomodado, parado ou de ter condições privilegiadas para o desenvolvimento? Justifique sua reposta.
9. O hino diz que o brasileiro dá a vida por seu país.
a) Quais os versos que provam essa afirmação?
b) É uma afirmação verdadeira ou não? O que você acha?

10. Os versos 5 e 6: Se o penhor dessa igualdade/ Conseguimos conquistar com braço forte afirmam que os brasileiros conseguiram fazer do Brasil um país igual às outras nações livres e independentes. Você acha que o Brasil, na sua economia, é um país livre? Por quê?

11. Depois de estudar a letra do hino responda: O que é ser patriota na atualidade brasileira?

12. Coloque toda a letra do hino na ordem direta. Exemplo: Ouviram do Ipiranga as margens plácidas De um povo heróico o brado retubante.

Sujeito: As margens plácidas do Ipiranga Predicado: ouviram o brado retumbante de um povo heróico.
Ordem direta: As margens plácidas do Ipiranga ouviram o brado retubante de um povo heróico. Faça o mesmo com a letra do hino.

REPOSTAS
Questão 1 j) calmas; l) ecoante; o) belo; a) brilhante, luminoso; p) destemido; j)grito; m)adorada; s) interior; r) admirável; u) cintilas; n) brilhantes, resplandescentes; b) garantia; c) passe bem; d) adorno e) alegre; f) bandeira, estandarte; g) bandeira, galhardete; h) arma; q) gigante.
Questão 2 a) Positivo. b) Porque todo hino tem como objetivo o enaltecimento da Pátria, do time, de Deus.
Questão 3 - O riacho Ipiranga aparece no hino porque foi às suas margens, conforme conta a História do Brasil, que D. Pedro deu o Grito da Independência.
Questão 4 - Por que "Cruzeiro" é o nome da constelação em forma de cruz, que aparece no céu do Brasil e está retratada em sua bandeira.
Questão 5 - Porque a nomenclatura era "Novo Mundo" para se referir ao novo continente, as Américas. Atualmente, usam-se mais as designações "Primeiro Mundo" e "Terceiro Mundo".
Questão 6 - A segunda estrofe.
Questão 7 a) Liberdade política de se organizar enquanto nação e ter um território com independência administrativa. b) Com luta. "Conseguimos conquistar com braço forte". Questão 8 - Muita gente faz piada com este verso do hino, dizendo que o Brasil não acordou até, ainda dorme em berço esplêndido, mas o sentido real é "ter condições privilegiadas para o desenvolvimento", pois possui recursos naturais em abundância.
Questão 9 a) "Verás que um filho teu não foge à luta Nem teme, quem te adora, a própria morte" b) Resposta subjetiva, pessoal. O brasileiro sempre teve o sentimento patriótico, que aflora no futebol e se revela desde que haja muita confiança nos homens públicos. Exemplo: no Plano Cruzado, houve os fiscais do Sarney.
Questão 10 - Resposta subjetiva, pessoal. Nesta resposta pode ser colocada a dependência econômica brasileira, a questão da dívida externa e da globalização da economia.
Questão 11 - Resposta subjetiva, pessoal. Nesta questão pode ser explorada o cumprimento dos deveres, ser bom cidadão, cada um fazer a sua parte em prol da comunidade. Pátria não quer dizer Forças Armadas e autoridades, é o povo, com sua cultura e sua fé.
Questão 12 - Hino Nacional (Em ordem direta.)
As margens plácidas do Ipiranga ouviram o brado retumbante de um povo heróico,
e o sol da liberdade brilho nesse instante, em raios fúlgidos no céu da pátria.
Se conseguimos conquistar com braço forte o penhor dessa igualdade o nosso peito desafia, em teu seio, ó liberdade, a própria morte.
Salve! Salve!
Ó pátria amada idolatrada. Brasil, um sonho intenso, um raio vívido de amor e de esperança à terra, se a imagem do Cruzeiro resplandece em teu formoso céu risonho e límpido. Gigante pela própria natureza, és belo, és forte, (és) impávido colosso, e essa grandeza espelha o teu futuro. Brasil, ó pátria amada, és tu, terra adorada entre outras mil! Brasil, pátria amada, és mãe gentil dos filhos deste solo!
Ó Brasil, florão da América, fulguras, deitado eternamente em berço esplêndido, (fulguras) ao som do mar, (fulguras) à luz do céu profundo, (fulguras) iluminado ao sol do Novo Mundo! Teus campos lindos (e) risonhos têm mais flores do que a terra mais garrida, Em teu seio, nossos bosques têm mais vida, e nossa vida (tem) mais amores.
Salve! Salve!
Ó pátria amada, idolatrada..
Brasil, o lábaro que ostentas estrelado seja símbolo de amor eterno e o verde-louro dessa flâmula diga: paz no futuro e glória no passado.
Mas, se ergues a clava forte da justiça, verás que um filho teu não foge à luta, (verás que) quem te adora, não teme à própria morte. Brasil, ó pátria amada, és tu, terra adorada entre mil outras. Brasil, pátria amada, és mãe gentil dos filhos deste solo.

(Extraído e adaptado do livro Descoberta & Construção, de Tadeu Rossatto Bisognin, 8ª série, Editora FTD)

Datas Comemorativas do Mês de Setembro

01 · Início da Semana da pátria
01 · Dia do Profissional de Educação Física0
02 · Dia do Repórter Fotográfico
03 · Dia do Guarda Civil
03 · Dia do Biólogo
05 · Dia Oficial da Farmácia
05 · Dia da Amazônia
06 · Dia do Alfaiate
06 · Oficialização da letra do Hino Nacional 0
07 · Independência do Brasil
08 · Dia Internacional da Alfabetização
09 · Dia do Administrador
09 · Dia do Médico Veterinário
09 · Dia da Velocidade
10 · Fundação do 1º Jornal do Brasil
12 . Dia do operador de rastreamento
14 · Dia da Cruz
14 · Dia do Frevo
15 . Dia do Cliente
16 · Dia Internacional para a Preservação da Camada de Ozônio
17 · Dia da Compreensão Mundial
18 · Dia dos Símbolos Nacionais
19 · Dia de São Geraldo 19 · Dia do Teatro
20 · Dia do Funcionário Municipal

20 · Dia do Gaúcho
21 · Dia da Árvore
21 · Dia do Fazendeiro
21 . Dia da Luta Nacional das Pessoas com Deficiências
22 · Data da Juventude do Brasil
22. Dia do Contador
23 · Início da primavera
23 · Dia do Soldador
23. Dia do Técnico Industrial e do Técnico em Edificações
25 · Dia Nacional do Trânsito
26 · Dia Interamericano das Relações Públicas
26. Dia Nacional do Surdo
27 · Dia de Cosme e Damião
27 · Dia do Encanador
27 · Dia Mundial de Turismo
27. Dia Nacional do Idoso
28 · Dia da Lei do Ventre Livre
29 · Dia do Anunciante
29 · Dia do Petróleo
30 · Dia da Secretária
30 · Dia da Navegação
30 · Dia Mundial do Tradutor
30 · Dia Nacional do Jornaleiro