sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

FRANGALHOS DE MINHA ALMA


Minh’alma sofrida
Se estraçalhou
Por tantas dores
Sangrando.......
Chorando......
Pelos medos e desenganos
Minh’alma endureceu
E como animal enjaulado,
como pássaro engaiolado
Mais que dura e fria pedra
Só Entristeceu...
Minh’alma se recolheu
Reclama...
e hoje encolhida,
estarrecida
em seus momentos loucos
Quase desapareceu em busca
De emoção.....
Da insensatez
Da emoção..........
Agora recolho os retalhos
Sangrando.....
Pedaços em frangalhos
Chorando.....
Cortados e recortados
Reconstruo com cuidado
Sorrindo...........
Marcas duras pespontadas...
Cantando.....
Esperando .....
Outra alma apontada para
Sermos nós,
Numa eterna ...
poesia a alma que almejo
Um dia .....
Carmem Lucia C. De Castro
1:00 horas dia 10/01/2009

5 comentários:

  1. Este poema falou ao meu coração, tenho certeza que sua alma esta bem hoje...nao mais em frangalhos pq tenho te achado tao mais bonita, livre, solta..a Lucia de anos atras...Fico feliz amiga vc merece ser feliz..

    ResponderExcluir
  2. Linda poesia..Carmem Lucia, voce tem uma veia poetica fabulosa, suas poesias sao de um lirismo fascinante seu eu poetico é simples e ao mesmo tempo rico em detalhes. parabens gostei muito dessa poesia

    ResponderExcluir
  3. Trabalho muito bonito,poesia linda,rica,parabens pela poesia .....
    Um abraço de Almas, olho no olho, coração batendo forte, sentido o pulsar do outro.

    ResponderExcluir
  4. Palavras que movem o coração representam muito mais do que apenas a arte de pensar.

    Parabéns!

    ResponderExcluir