quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

LEMBRANÇAS SÓ LEMBRANÇAS...........

Como é bom ser assim.....
Livre para ver e ter o mundo!
Observar o céu limpo ou mesmo nublado
Olhado de um jeito profundo!
Escoando chuva miúda, límpida, fina...
Regando a vida, com água tão cristalina!
As cores das folhas que balançam num vem e vão...
e das flores coloridas que gentilmente se dão...
Flores folhas e frutos unidas num doce casamento,
Embalando sonhos, revivendo doce e eterno sentimento.

Volto ao tempo de sua infância...
viajo na chuva, nas flores, no cheiro de terra molhada...
que me trazem na saudade, o perfume, a fragrância...
Dos tempos felizes de você criança,
vividos na casa de verde por você foi pintada.

Vejo-te a correr e tentar pegar as borboletas...
O riso fácil, os pés descalços pisando a lama macia!
Ecoa ainda a voz de sua bisavó: “Menino sem juízo, vais ficar doente”!
E a voz do bisavô, que para ouvir novamente tudo daria!...“Deixe o menino, isto faz bem, ele está contente”!

E nas noites de lua ou de chuva,
Seu avô, lendo a bíblia, ou causos a contar...
E você agachado a seus pés, ouvindo,
Com os olhos tal qual lua a brilhar...
Querendo saber de tudo, querendo eternizar o momento,
Sentindo da sua voz o calor...
No frio daquelas noites aquecidas pelo amor.

Em cada gota de orvalho que cai e respinga em mim...
Saudades de momentos vividos...
Brancos, imaculados como o jasmim.
Momentos de nossas vidas que foram tão ligeiros...
Como as borboletas a procura da flor pra se abrigar...
Momentos de alegria
Que só o amor de uma família é capaz de proporcionar!

Momentos que no tempo passaram...
Que em mim eternamente ficaram...
Momentos do passado, mas que em mim estão presentes...
Momentos que me embalam,
Quando num futuro ameaçador penso estar ausente.
Tantos momentos felizes,
Incontáveis como as gotas de orvalho
Que a noite do céu escoa...
Momentos eternizados no coração de mãe
Que continua vendo o menino frágil e pequenino
Correndo atrás da esperança teimosa que voa...


Autora: Carmem Lúcia C. De Castro
Publicada na Coletânea de poesias 2008

Nenhum comentário:

Postar um comentário