sábado, 11 de abril de 2009

Candido Portinari- Artes














A imagem que temos de Cândido Torquato Portinari (1903-1962) é de um artista plástico genial, provavelmente o maior que o Brasil já teve. Filho de imigrantes italianos originarios de Chiampo na Província de Vicenza, foi menino pobre no interior paulista e revelou talento precoce. Nasceu em Brodósqui. As reminiscências da infância aparecem em muitas obras de Portinari. Aos 8 anos, lançou-se no ofício auxiliando uma equipe de artesãos forasteiros, pintando estrelas no teto da igreja matriz. Aos 15, mudou-se para o Rio de Janeiro, para estudar na Escola de Belas-Artes, onde se radicou para sempre, exceto de 1928 a 1930, quando estagiou na Europa, desfrutando um prêmio de viagem para o exterior. Quando voltou, introduziu no Brasil tendências e idéias da pintura moderna. A seguir, inspirado pelo cubismo e pelo Pablo Picasso, Portinari surpreendeu o Brasil ao decompor e geometrizar de maneira inusitada por aqui as formas naturais. Portinari deixou mais de 4 600 trabalhos, embora tenha vivido apenas 58 anos. O tema básico de todo o seu trabalho foi a questão social, a situação do povo e o seu tipo de vida. Portinari mostrou essa preocupação da juventude até a morte. Em inúmeros murais espalhados por diversos lugares, no Brasil e exterior, esse foi um tema recorrente e característico. Os temas históricos também ocupam uma parte importante da obra de Portinari mas a retratação do povo permanece como sua marca maior: a tragédia da seca nordestina, os campos estéreis, as favelas miseráveis, os adultos e as crianças de olhos esbugalhados, os esqueletos humanos barrigudos, os trabalhadores de mãos calejadas e pés desproporcionais, as lavadeiras de mãos ossudas... Portinari pintou também muitos retratos e embora declarasse que não gostava de pintar retratos, ficava inteiramente a vontade nesse trabalho. Assumidamente e declaradamente comunista, foi quase um retratista do governo Vergas, longe dos preceitos comunistas. Com um estilo clássico, foi um moderno. Foi perseguido por ser comunista, numa época em que isso era considerado terrível. O Arcebispo de Belo Horizonte negou-se a consagrar a Igreja da Pampulha por conta dos murais de Portinari. O artista foi para o Uruguai mas voltou a tempo de ver o seu partido comunista ser declarado ilegal. Mais tarde, o mesmo governo brasileiro o convidaria para pintar dois murais na sede da ONU. A guerra e a Paz. Idas e vindas na vida de Portinari. Foi pintando esses dois murais que adoeceu gravemente. O diagnóstico foi o pior possível: envenenamento por conta do uso de tintas. Teve que parar de pintar mas continuou desenhando. Anos depois voltou a pintar, resistindo a pressão dos médicos para que parasse. Um novo envenenamento o encontrou mais velho e mais frágil e o levou a morte. Morreu vitimado pela mesma coisa que lhe deu vida: a pintura.
http://negreirosurbanos.blogspot.com/2007/10/100-anos-de-portinari.html

2 comentários:

  1. AS OBRAS DE PORTINARI SÃO LINDAS!!!!!!!!!!
    TEREZINHA-TO

    ResponderExcluir
  2. Também adorei conhecer um pouco de Portinari,estou desenvolvendo um trabalho de leitura e interpretação com os meus alunos do segundo ano.Como eu poderia relacionar portinari em uma exposição na feira de ciencias.Por favor me ajude!!(catia100correa@hotmail.com

    ResponderExcluir