sábado, 16 de julho de 2011

A verdadeira história da chapeuzinho vermelho. Tira as crianças da sala.

O texto (em aspas) foi retirado do site

http://www.revistapsicologia.com.br/materias/hoje/desumano.htm


"Maria Rita Kehl é uma psicanalista conhecida entre seus colegas de profissão, sobretudo no eixo Rio-São Paulo, e uma das minhas autoras preferidas. Preocupada com questões contemporâneas da nossa sociedade, e como psicanalista, investigadora do universo feminino (tendo publicado vários artigos e livros tais como “Masculino e Feminino na Cultura” e “Deslocamentos do Feminino”, ambos pela Imago), recentemente tive acesso a um antigo texto seu intitulado “A Psicanálise e o Domínio da Paixão”.
Neste texto, Maria Rita nos conta a verdadeira história de Chapeuzinho Vermelho. Na verdade a história contada antes do século XVIII, ou seja, antes que a revolução burguesa modificasse o pensamento e o comportamento ocidental, e, portanto, modificasse a história bem mais próxima do que a conhecemos hoje.

Sigo então o fio condutor da história contada por Maria Rita Kehl, ou seja, a história de Chapeuzinho contada pelos camponeses em volta do fogo, em noites de inverno europeu:

“Certo dia, a mãe de uma menina mandou que ela levasse um pouco de pão e de leite para sua avó. Quando a menina ia caminhando pela floresta, um lobo aproximou-se e perguntou-lhe onde ia:
Para a casa da vovó – ela respondeu.
Por que caminho você vai, o dos alfinetes ou o das agulhas? O das agulhas.

Então o lobo seguiu pelo caminho dos alfinetes e chegou primeiro à casa. Matou a avó, despejou seu sangue numa garrafa e cortou sua carne em fatias, colocando tudo numa travessa. Depois, vestiu sua roupa de dormir e ficou deitado na cama, a espera.
Pam, pam !.
Entre, querida.
Olá vovó. Trouxe para a senhora um pouco de pão e leite.
Sirva-se também de alguma coisa. Há carne e vinho na copa.
A menina comeu o que lhe era oferecido e, enquanto o fazia, um gatinho disse:
Menina perdida! Comer a carne e beber o sangue da sua avó!
Depois o lobo disse:
Tire a roupa e deite-se na cama comigo.
Onde ponho o avental?
Jogue no fogo. Você não vai mais precisar dele.
Para cada peça de roupa – corpete, saia, anágua e meias – a menina fazia a mesma pergunta. E cada vez, o lobo respondia:
Jogue no fogo. Você não vai precisar mais dela.
Quando a menina se deitou na cama, disse:
Ah, vovó! Como você é peluda!
É para me manter mais aquecida, querida.
Ah, vovó! Que ombros largos você tem!
É para carregar melhor a lenha, querida!
(...) Até que ela perguntou:
Ah, vovó! Que dentes grandes você tem!
É para comer melhor você, querida!
E ele a devorou”.

A história acaba aí, sem a menor menção do fim da história tal como a conhecemos. Sem “moral da história”, sem caçador, sem final feliz. A história de chapeuzinho é uma história de pura crueldade, desumanidade, escatologia erótica e perversa, demasiadamente perversa."
Que medo. E não vem não. A chapeuzinho "enganada" quis se deitar com a vó. Mas o que é isso? Um caso de pedofilia ao contrário? Seria uma geriofilia (atração por senhorinhas)?

Serão os 3 porquinhos, 3 bundões que sofrem de obesidade mórbida e são surpreendidos pelo mesmo lobo maníaco da história da chapeuzinho? A vozinha a reencarnação da vó desavisada. O lobo, um serial killer. Uma pena o FBI não existir naquela época. Sem análise de perfil, não há identificação do culpado. E ele continuou rondando outras historinhas.

Eu que não conto nada disso pros meus filhos.
Fico pensando nas novas histórias contemporâneas.
"Era uma vez uma garotinha que se chamava melancia. Ela tinha super poderes no bumbum. Um dia, o Sr Créu propôs uma disputa..."

Pobres crianças dessa época.

Nenhum comentário:

Postar um comentário